WhatsApp poderá ser suspenso devido a uma ação judicial no Brasil

Ação visa bloquear o serviço de mensagens mais utilizado no Brasil, o WhatsApp em todo o território nacional devido a descumprimentos em 2013.

O juiz Luiz de Moura Correia, da central de inquérito da Comarca de Teresina, junto com o Núcleo de Inteligência da Secretaria de Segurança do Piauí estão tentando suspender os serviços do WhatsApp em todo o território nacional.

Era para ser sigiloso, mas esta informação vazou hoje, quarta-feira dia 25/02/15 na internet.

WhatsApp bloqueado pela justiça

O serviço não foi interrompido ainda (já que deveria estar bloqueado desde o dia 11 de fevereiro) por conta de recursos movidos pelos provedores.

O mandato já foi encaminhado para os provedores de infraestrutura e também aos provedores de conexões a internet com a finalidade de suspender temporariamente o aplicativo.

Segundo informações do Núcleo de Inteligência, esta sentença é devido ao descumprimento judicial do WhatsApp com o Marco Civil da Internet. Não se sabe quais foram os descumprimentos apontados, pois isso corre em segredo de justiça.

Mas cá entre nós, isso pode ser uma forma de bloquear o serviço do WhatsApp depois que a empresa divulgou novidades com relação a comunicação entre os usuários por meio de voz como ocorre no Skype, sem a necessidade de utilizar uma chamada normal.

Atualização 27/02/15: O WhatsApp também está ameaçado de ser bloqueado em outros países, como o Reino Unido, Arábia Saudita e Irã. O motivo é que o monitoramento de mensagens enviadas pelo aplicativo é mais complicado do que em chamadas telefônicas e e-mails, já que elas são encriptadas.

Por isso o uso do WhatsApp recentemente pelo caminhoneiros para marcarem onde será bloqueado determinada estrada e evitar que a polícia e o governo saibam exatamente o que está ocorrendo.

Ele também é usado para pedofilia e tráfego e muitos destes processos em segredo de justiça podem estar ligados a estes tipos de crimes.

Mas a ameçada do bloqueio aqui no Brasil está um pouco longe de ocorrer no momento pois o desembargador Raimundo Nonato da Costa Alencar do Tribunal de Justiça do Piauí (TJ-PI) sustou hoje (sexta-feira, 27/02/15) os efeitos da decisão do juíz.