NSA ajudou a desenvolver parte do código do Android

Desde 2003 NSA implementou um código fonte no SELinux, sistema do qual o Android deriva.

Como a maioria de nós ligadas a notícias sabemos, um ex técnico da CIA chamado Edward Snowden desvendou a espionagem que a NSA, Agência Nacional de Segurança dos EUA estava realizando com informações enviadas de computadores e telefones pelas linhas de telecomunicações.

O complexo projeto PRISM venho a mostrar o quanto somos diariamente vigiados por governos que usam este artificio para se dar bem no mercado mundial e em outros fatores, iludindo a população que se tratava de segurança nacional em busca de uma defesa ao país contra terroristas.

NSA codigo fonte android

Segundo a Business Week o Android, sistema operacional para tablets e celulares mais utilizado atualmente empregar parte do código desenvolvido pela NSA, que desde março de 2003 integra via “main-line” nos SELinux, do qual o sistema deriva.

Para quem não sabe o PRISM é um programa desenvolvido pelo governo do EUA para vigiar um usuário sem que ele perceba e sem que saiba que o exista, ou seja, altamente secreto e que só teve seu conhecimento revelado devido às divulgações de Edward Snowden.

Após este escândalo o Google solicitou ao tribunal recorrendo à lei Foreign Intelligence Surveillance maiores informações e permissão para divulgar o que o código inserido no sistema executa ou realizada.

Segundo Vanee’ Vines, porta voz da agência de segurança, estas implementações não estão ligadas ao projeto PRISM e que o código fonte do sistema operacional Android está disponível para visualização, consulta e alteração em http://source.android.com.

Esta adição realizada pela NSA chamada de Security-Enhanced Linux serve para deixar o sistema mais robusto contra ataques hackers, impedindo acesso a dados empresariais ou pessoais armazenados no dispositivo.

Não se sabe ao certo se realmente isso está sendo usado como desculpas para enviar informações do aparelho ou permitir que a NSA tenha acesso ao sistema de qualquer usuário e se outros sistemas como Windows, iOS, Windows Phone,... tenham estas mesmas ou similares colaborações.

Mas depois destas declarações, espantos e preocupações que governos de outros países tiveram quando o governo dos EUA confirmou a espionagem, não podemos duvidar de mais nada.