A história e o futuro do Disco Rígido – HD (Hard Disk)

O Disco rígido ou também conhecido como HD (abreviatura de Hard Disk) é um componente eletrônico e mecânico localizado em seu computador e que serve para armazenar as informações que seu computador usa no cotidiano, como o sistema operacional, seus documentos, programas, fotos, vídeos e outros.

A história do disco rígido é interessante e fascinante, pois desde 1956 evoluiu de uma monstruosidade de cinquenta discos com dois metros de diâmetro e com capacidade para apenas 5 MegaBytes (5000000 bytes) para drives de hoje que medem por volta de 12 centímetros de comprimento, por 5 centímetros de largura e 1 centímetro de altura com capacidade de 8GB (e em constante evolução, claro).

História do HD - Disco Rígido

Antes do armazenamento em disco, existiam os tambores. Em 1950, a Engineering Research Associates de Minneapolis construiu a primeira unidade de armazenamento magnético de tambor comercial para a Marinha americana, chamada de ERA 110. Ele podia armazenar um milhão de bits de dados (cerca de 1MB) e recuperar uma palavra em 5 milésimos de segundo.

HD ERA 110

Em 1956 a IBM inventou o primeiro computador com sistema de armazenamento em disco, o RAMAC 305 (Método de Acesso Aleatório de Contabilidade e Controle). Este sistema poderia armazenar cinco Mega Bytes e os discos tinham cerca de 24 polegadas de diâmetro.

Primeiro HD da IBM

Logo, em 1961 a IBM tinha inventado o primeiro disco com cabeças de rolamento de ar e em 1963 eles introduziram a unidade de embalagem de disco removível.

HD IBM com cabeças de ar

HD embalagem disco removivel

Em 1973 os discos flexíveis de oito polegadas foram introduzidos no mercado pela IBM. Eram discos grandes e podiam ser vendidos com drive e fonte de alimentação para que pudesse ser inserido o disco e lidos pelo computador.

Disquete de 8 polegadas da IBM

Inserindo disquete de 8 polegadas

Em 1973, novamente a IBM, começou as vendas do modelo Winchester 3340, uma unidade de disco rígido lacrada, o antecessor de todos os atuais discos rígidos que conhecemos atualmente (não é a toa que muitos profissionais mais velhos que lidam com informática ainda falam “Winchester”). O 3340 tinha dois fusos com capacidade de 30MB cada um e por isso o termo “Winchester 30/30”.

Winchester 3340

Em 1980 a Seagate Technology lançou o primeiro disco rígido para microcomputadores, o ST506. Era bem alto e tinha um motor veloz, com discos que armazenavam 5MB. Em seguida a Phillips inventou  unidades leitoras a laser óptico e em 1981 a sony lança os primeiros disquete de 3.5 polegadas que eram bem menores que os de 8 lançado pela IBM.

HD Seagate st506

Disquete de 3.5 polegadas

O primeiro drive de disquete de 3.5 foi feito pela Rodime em 1983. Os primeiros CD-ROM começaram a aparecer em 1984, sendo que em 1985 foi lançada um enciclopédia eletrônica nesta mídia. Seguindo em 1985, os discos começaram a ser baseados em IDE (Dispositivo Eletrônico Integrado), onde o controlador tornou-se incorporado com um circuito impresso na parte inferior da unidade do disco. A Quantum fez o primeiro “Hard Card”  em 1985.

Controladora IDE do HD

Hard Card da Quantum

Em 1986 começaram a serem produzidos os discos rígidos de 3.5 polegadas com atuadores de bobina de voz para as cabeças lerem os discos. Em 1988 estes atuadores diminuíram drasticamente fazendo com que cada vez mais os drivers ficassem menores.

Atuadores de bobina por voz no HD

Em 1997, os computadores estavam ficando rápidos, mas os discos rígidos não estavam acompanhando esta velocidade. Assim a Seagate lançou o primeiro HD Ultra ATA de 7.200 rotações por minuto para computadores desktop. Oito anos depois é lançado pela mesma fabricante o disco rígido com 15.000 rotações por minuto, chamado de Cheetah X15.

Alguns marcos que o IDE DMA, ATA/33 e ATA/66 tiveram:

  • 1994 - DMA, Modo 2 com 16,6 MB/s
  • 1997 - Ultra ATA/33 com 33.3 MB/s de velocidade de leitura
  • 1999 - Ultra ATA/66 com 66,6 MB/s de velocidade de leitura

HD Seagate 7500 e 15000 rpm

Atualmente já contamos com SATA (tipo de cabo que melhora a velocidade de enviar e receber dados) e SCSI (melhoria do Serial ATA, ou conhecido como SATA com um novo protocolo de transferência de dados de maior velocidade na comunicação serial).

Enfim, foram longos anos e a forma de armazenamento ainda continua a mesma, só que com novas tecnologias e implementações que transformaram os discos magnéticos mais silenciosos, duráveis, velozes e confiáveis. Mas sinceramente há muito o que evoluir, pois os HDs não estão conseguindo acompanhar de forma satisfatória a velocidade dos novos processadores, memória, etc.

O futuro do armazenamento de informações

Os HDs são lidos por cabeças mecânicas, que são lentas e muitas vezes causam erros de leitura e escrita, principalmente em HDs já cansados (não é a toa que com o tempo o computador começa a ficar mais lento e apresentar erros ao abrir certos arquivos).

Acredito que em pouco tempo os HDs que conhecemos será totalmente substituídos pelos SSD (Disco de Estado Sólido) que são semelhantes aos discos rígidos em tamanho e aparência, mas internamente usam chips de memória flash para armazenar os dados persistentes com a intensão de proporcionar o acesso da mesma maneira de um tradicional bloco i/o de disco rígido.

Mas os SSDs não possuem partes móveis o que os tornam:

  • Menos suscetíveis a choques físicos e perdas de dados;
  • Mais silenciosos;
  • Menor tempo de acesso e latência, fornecendo uma velocidade muito maior;

SSD - Disco de Estado Sólido

O único problema hoje dos SSDs é que o valor por gigabyte em relação aos HDs de disco rígidos são bem maiores. Mas assim que os valores ficarem menores e os SSD se popularizarem, com certeza substituirão os HDs tradicionais.