Como comprar o micro certo para seu filho na volta às aulas

Foi se a época em que voltar às aulas era só encher a mochila de livros, cadernos e lápis de cor. Em um futuro não muito distante, parte do conteúdo pedagógico poderá ser transportado em pen drives, aliviando o peso que as crianças carregam nas costas. Para que seus filhos acompanhem essa evolução, muitos pais incluíram na lista de material deste ano a compra de um computador. O investimento é para auxiliar a garotada nos trabalhos escolares, já que os equipamentos estão ficando cada vez mais acessíveis no Brasil.

Como comprar computadores

Para especialistas, o PC é um grande aliado para reforçar o aprendizado dos temas que os alunos vêem na sala de aula. Porém, eles aconselham os pais que antes de investir nesse bem consultem a escola de seus filhos para saber como a informatização está sendo usada no ensino deles. Também é importante ensinar as crianças a usar o micro corretamente para os estudos em casa e adotar medidas de segurança.

Hoje o uso do computador já faz parte da rotina das aulas de muitas escolas do Brasil. É claro que essa tecnologia está mais presente em estabelecimentos particulares. Segundo a ABTE (Associação Brasileira de Tecnologia Educacional), aproximadamente 25% das 35 mil escolas privadas existentes atualmente no País adotam sistema informatizados.

Na rede pública esse índice ainda é baixo. Segundo João Roberto Alves, presidente da ABTE e do IPAE (Instituto de Pesquisas Avançadas em Educação), há é média um computador para cada grupo de 150 alunos nas escolas públicas. Esse cenário deverá mudar com os programas do governo federal de levar banda larga para as escolas e conseguir implantar o projeto de um laptop por estudante no ensino básico.

Já no ensino pago, os alunos com maior poder aquisitivo têm acesso ao computador na escola e em casa. De acordo com a ABTE, metade dos estudantes da rede privada tem micro em seus domicílios, embora nem todos estejam conectados à Web, devido ao custo das conexões de banda larga. Alves diz que além do preço do acesso rápido, muitas cidades do Brasil ainda não tem Internet veloz. 

 

Compra do micro

Para os pais dos filhos que ainda não têm um PC em casa e vão aproveitar o início do ano letivo para investir na tecnologia, Alves dá algumas dicas. “Antes de escolher qualquer modelo é importante que o pai converse com a escola para conhecer a proposta pedagógica que ela adota aliada à informática”. Ele diz que é difícil pensar em um modelo ideal diante da diversidade de micros existentes no mercado. Cada um deve avaliar o que cabe no seu bolso. “Para os estudos em casa não é necessário nada muito sofisticado”, afirma o especialista em tecnologia para educação.

Com base na proposta pedagógica da escola os pais terão mais condições de saber que micro devem comprar para seus filhos. A própria escola também poderá orientá-los nesse processo. Essa pesquisa é importante para eles saberem que outros apetrechos tecnológicos podem colocar nas mãos dos filhos. Alves informa que alguns estabelecimentos particulares de ensino fundamental e médio já permitem que os alunos levem conteúdo de livros armazenados em pen drives. “Assim as crianças não precisam carregar mais mochilas tão pesadas, que podem lesar a coluna", diz ele. 

Outra novidade hightech que escolas da Europa já adotam e que Alves acredita que não vai demorar para chegar por aqui é a possibilidade de o aluno gravar o que o professor fala em classe. “Tem escolas da França que deixam o aluno gravar em MP3 o conteúdo das aulas. Isso é bom porque os pais podem ouvir em casa com seus filhos, saber o que exatamente eles estão aprendendo e interagir mais com a escola.”  

 

Uso correto do PC

A nova geração tem muita facilidade para dominar as tecnologias e descobre rapidamente todos recursos de um computador. Muitas crianças dão de zero a dez em muitos pais quando o assunto é tecnologia. Entretanto, os especialistas alertam que ao dar as novas ferramentas, eles devem orientar seus filhos sobre o uso correto, principalmente nas navegações pela Internet, que abrem o mundo para a criança.      

Zilda Kessel, especialista em tecnologia para educação e consultora do colégio Pueri Domus,  ressalta que o uso do PC para fins educativos tem de ser bem orientado para gerar bons resultados no aprendizado da garotada. Ela explica que escolas que têm uma proposta pedagógica bem definida ensinam seus alunos como tirar melhor proveito do computador durante os estudos.

Hoje muitas crianças fazem deveres escolares com pesquisas na Internet. Algumas entram com facilidade na Wikipedia, a maior enciclopédia online, mas não sabem nem como manusear uma versão impressa. Zilda ressalta que é papel dos professores ensinar aos alunos como devem fazer as atividades exigem consultas na Web.

"É importante orientá-los sobre as boas fontes de pesquisa e como podem organizar e qualificar as as informações para produção dos trabalhos", diz a consultora. Faz parte do processo também educar a garotada sobre o crédito dos autores de todo material  que colheram da Internet, seja texto, imagem, vídeo ou áudio.   

A consultora frisa que que é fundamental que as crianças aprendam desde cedo a respeitar os direitos de propriedade e saibam que copiar obra dos outros não é ético. Ela reforça que esse papel deve ser dividido entre escola e pais, que têm a responsabilidade de formar cidadãos atentos com as questões éticas.

São preocupações como essas que Zilda acredita que farão a diferença no uso do computador como ferramenta de apoio ao ensino. Então, segundo ela, não basta apenas se preocupar com a melhor configuração do computador.   

 

Medidas de segurança

Para fazer as pesquisas escolares, as crianças vão acessar Internet e precisam estar protegidas para não serem vítimas de pessoas mal-intencionadas. É importante que os pais adotem medidas de segurança. Confira as dicas que especialistas dão para que a garotada navegue na rede com tranqüilidade:

• Instale um software de segurança no PC
• Defina um limite de tempo para uso da Internet. Há no mercado softwares que fazem esse tipo de controle
• Instrua seus filhos a nunca revelarem informações pessoais
• Não deixe eles abrirem anexos de mensagens de e-mail de amigos ou serviços de compartilhamento de arquivos sem que você esteja por perto
• Mantenha o computador da casa em uma área comum que permita monitorar as atividades das crianças
• Gerencie o conteúdo de acordo com a faixa etária da criança. É recomendável monitoração das atividades à medida que aumentam as habilidades dos pequenos na rede

 

Fonte: Edileuza Soares (Wnews)